A EDGAR ALAN POE II


A mesa posta para o chá das 5
A toalha de crochet, o seu perfil
A escultura torta, a flor além da porta
O copo de cristal, a natureza morta

Dedos finos, elegantes, os anéis
Tapetes orientais, os bibelôs
A persiana clara, a gravura rara
O vaso chinês, mármore de Carrara

Quanto à solidão
Negro galeão sulcando a madrugada
Almas, almas, almas, muitas almas
Almas, almas, almas, almas
Almas, almas, almas, almas...

(Dinho Caninana/Maurício Brandão)